Minha Esposa Tesuda Quer Rola

Minha Esposa Tesuda Quer Rola

Minha Esposa Tesuda Quer Rola

Sua língua parecia enorme dentro da minha buceta. que delicia…engole tudo sua vadia…engole a porra do teu macho…vadia safada…ahh…que vagabunda deliciosa…que nora safada!rnEra muita porra fervente que saia daquela pica que até escorria pelos cantos da boca mas toda tesuda eu lambia tudo como uma putinha de verdade…era uma delicia sentir aquele macho pauzudo gozando gostoso e enchendo minha boca sequiosa de porra. Os amigos da Anna levaram muita bebida e eu me esbaldei, misturando cerveja com whisky. Eu disse que imaginava que devia doer mesmo, então ela ergueu a camisola e estava com uma calcinha fio dental, que também era conjunto da camisola, abaixou a calcinha dela até o joelho e pediu para mim passar a mão e sentir como ficava lisinho.

Posicionei atrás de Júlio e fui bem devagar enfiando meu cacete naquele cuzinho fechadinho, demorou um pouco e já estava socando com mais força a pedido do marido que também socava no cuzinho de sua esposa. Ela quis dar no papai e mamãe, assim eu podia chupar e mordiscar os bicos do peito dela, mas depois de um tempo assim coloquei ela de 4 de novo e peguei o KY. Parecia madeira, de tão duro. Tenho uma amiga (vou chama-la Tania),que frequenta minha casa regularmente, ela tem um filho de 18 anos, Douglas, um mulatinho lindo, típico adolescente que vez ou outra vem com ela em suas visitas e passa o tempo jogando com meu filho, que é dois anos mais velho, enquanto conversamos. Ele foi subindo a mão, escorregou ela por baixo da minha blusa e subiu até os meus peitos.

assim foi penetreia durante 3 minutos mas sem porra ainda era pequeno. Já estavam ali há dois dias, já tinham transado de todos os jeitos e posições possíveis e imagináveis, mas ao sentir aquele toque, ela ficava transtornada e queria mais. Tem poucos pelos, bem baixinhos…”, a medida que ela ia falando, meio influenciada pelo álcool e pela situação, ia ficando mais e mais excitada. Quem frequentava, pagava e tinha de pegar táxi… injustiças da vida.

Ela – Menino não vou falar para você,Eu – Então posso descobrir. Eu sabia que isso ia acontecer, fiz de propósito para que ela visse minha excitação.