Negao Gozou Dentro Da Minha Esposa Sem Camisinha

Negao Gozou Dentro Da Minha Esposa Sem Camisinha

Negao Gozou Dentro Da Minha Esposa Sem Camisinha

entramos no táxi e falamos pro taxista pra irmos para o motel…quando ele ouviu ele ajeitou o retrovisor interno para nos visualizar e perguntou se poderia indicar um que ele conhece e que iríamos gostar, falamos que poderia ser esse e ele nos disse que poderiamos ficar á vontade no táxi…á vontade mesmo! Meu marido cheio de safadeza começou logo a me bolinar dentro do táxi…o que adorei e correspondi! Em instantes eu estava nuazinha no banco de trás do táxi e meu marido devorando meus seios enquanto metia dois dedos na minha bucetinha e o taxista dirigindo enquanto falava que tava uma delicia assistir tudo isso.

Ele tirou a camisinha e a namorada ficou de 4.

Como podia me deixar daquele jeito, toda fogosa, e ir dormir?! Como sempre, a primeira reação foi a raiva, Joguei um prato no chão e disse bem alto “Caiu, amor.

Eles até hoje não sabem que eu assisti a tudo e tenho gravado, o meu “amigo” e seus colegas começaram a frequentar mais minha casa, sempre inventam um churrasco ou coisa assim pra aparecer lá, e pelo jeito minha esposa resolveu ficar amiga do quartel inteiro.

Logo Pedro gozou na minha boca, cara, peito parecia que não tinha fim e Com isto Marcos também encheu minha buceta de gozo.

""E quanto tomava banho, ouço gente entrando no banheiro, era ele e um outro negão que treinava lá…Me agarraram, me jogaram pra fora do banheiro, olhei e estava a porta trancada, o negão veio e me colocou deitado no banco de supino, e amarou minhas maos e meus pés, com corda de pular…"Essa história começa no dia que conheci ” Bruno ” , foi numa aula de karatê estava esperando começar as atividades quando do meu lado para dois boys , os dois uma delícia , um moreno saradinho e o outro branco e alto, de cara devido as atividades em grupo começamos a conversar e parecia q nos conhecíamos a muito tempo. Meu intestino parecia o Polo Norte de tão gelado por dentro, Eu estava com medo, inseguro, mas com um tesão inacreditável.